• Há semelhanças, mas as diferenças são maiores. E a situação é pior agora.
Marpucsp
Formado em Economia pela PUC-SP com mestrado em Economia Política pela PUC-SP, atualmente curso Doutorado em Ciências Sociais - Relações Internacionais e Desenvolvimento Econômico na UNESP - Marília.

Comentários (8)

  1. Bom artigo. ??

    1. Obrigado Lucas! Fico feliz que tenha gostado.

  2. desta vez não haverá boom de commodities!

    1. Boa tarde Roberto! Também acredito que não haverá novo boom de commodities até porque não há nenhum player no mercado mundial com o apetite que a China possuía.

      1. Commodities que são exportadas podem ter relevância positiva até o final do ano?

        1. Boa noite Carlos! Acredito que terão sua relevância mais em função da desvalorização do Real frente o Dólar do que no volume de exportação. Pensando por exemplo na soja, não teremos uma super safra como tivemos no ano passado. O minério de ferro deve ter sua demanda desacelerada até porque a China tem tentado mudar o foco da sua demanda interna: menos investimento em infraestrutura mais consumo (o que pode contribuir para o aumento na demanda por soja novamente e estimular a produção na próxima safra).
          No final, a balança comercial deve ser positiva com tem sido também por uma possível redução das importações via efeito câmbio (desvalorizado) e via renda (o desemprego ainda está elevado).

  3. Como você veja as relações com países externos e a influência na Bolsa de valores?

    1. Boa noite Raul! O cenário doméstico, no momento, é mais preocupante que o cenário externo para a bolsa de valores. No âmbito internacional o que pode aumentar a volatilidade da Bolsa seria uma desaceleração muito rápida dos EUA ou da China ou uma crise na Zona do Euro (devemos ter em mente que a Itália, terceira maior economia do bloco acabou de formar um governo populista anti-euro).
      Acredito que estes são os principais pontos do cenário externo que devemos nos atentar para avaliar o comportamento da bolsa aqui.
      Mas ressalto que as incertezas domésticas devem fazer com que muitos investidores, domésticos ou externos, saiam do país e busquem refúgio em lugares mais seguros.
      Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *