Gabriele Couto
Economista formada pela Universidade Federal de Ouro Preto, aficionada pelo mercado de capitais! Baseia-se principalmente em análises fundamentalistas com expectativas de longo e médio prazo

Comentários (7)

  1. Boa análise, Gabriele. Parabéns!

  2. São inúmeros os fatores que garantem incentivo a adoção massiva de transportes ferroviários e marítimos, incluindo constatação de maio segurança, greves de caminhoneiros, preços de combustíveis, sustentabilidade…

    Quando tudo isso for levado em conta rumo vai pra lua.

  3. O ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, anunciou concessão de de três ferrovias até 2020.

    1. Sim. O plano de retomada do transporte ferroviário do governo deve trazer muitos benefícios e a Rumo, maior do setor c certeza vai sair ganhando

  4. Quanto maior maior o tráfego de caminhões pesados > maior é o desgaste da estrada > maiores são os gastos com consertos e manutenção dos caminhões > mais caros os fretes > mais caros os produtos. Só de pensar nessa relação toda, os transportes ferroviários já deveriam ser melhor analisados.

    1. Concordo com Luiz Paulo. Mas tambem precisamos levar em conta o preço de construção de novas ferrovias e depois diluir os custos pelo anos. Ainda assim acredito que compensa pela durabilidade de ferrovia. Mas os cálculos são mais complexos e nem sempre a solução que leva ao melhor ponto é a mais fácil de ser atingida.

      1. Cara, o problema é a falta de financiamento e talvez problemas com a classe dos caminhoneiros. Porque com certeza é mais rentável. Além dos fatores que vocês citaram, ainda teria cortes com pessoal, (uma vez que cada caminhamos precisa de um motorista) e depreciação da frota, que no caso de caminhão é mais rápida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *