INÍCIOS, DECISÕES E ESCOLHAS.

Como Investir no Tesouro Direto

Com a alta rentabilidade oferecida pela poupança no passado, os brasileiros acabaram adquirindo o hábito de fazer aplicações financeiras apenas através dessa modalidade, principalmente, para ter um fundo de reserva e ao mesmo tempo receber uma recompensa por isso. Além disso, a Poupança se tornou muito popular já que poderia ser considerada uma opção rentável, de fácil acesso, sem muita burocracia e ainda com a possibilidade de investir baixos ou altos valores, o que atraía pessoas de todas as classes sociais.

Atualmente, com os baixos juros oferecidos pela poupança, os brasileiros já não se sentem tão estimulados com essa modalidade de investimento, já que o dinheiro investido nessa opção estaria perdendo para a inflação.  E foi exatamente por causa disso, que uma boa parte da população já migrou para o Tesouro Direto, já que essa seria uma forma de aplicar o dinheiro mantendo o baixo risco de uma renda fixa, mas com alta rentabilidade, o que não é mais o caso da poupança.

Lembrando, que esse investimento é totalmente garantido pelo Tesouro Nacional conferindo maior segurança aos títulos, já que o risco do Brasil entrar em estado de falência total é praticamente zero, o contrário de investimentos baseados em empresas privadas.

 

Apesar do baixo risco oferecido pelo Tesouro Direto, há algumas pessoas resistentes e cautelosas que ainda não se sentem à vontade para investir nesse tipo de aplicação, principalmente, por não estarem habituadas com esse tipo de rentabilização financeira.

As principais dúvidas das pessoas em relação a esse tipo de investimento geralmente são: o que é o Tesouro Direto, se é realmente uma forma segura de investimento, se o dinheiro fica preso sem que possam utilizar num momento de emergência, se a rentabilidade realmente seria compensadora, entre outras. Porém, essa resistência parece estar diminuindo à medida em que as pessoas entendem melhor o que é e como é fácil começar a investir nessa modalidade.

Entendendo o Tesouro Direto

Então, para sanar essas dúvidas tão frequentes, vamos começar explicando o que é esse tipo de investimento tão falado nos últimos tempos. O Tesouro Direto nada mais é que um Programa do Tesouro Nacional criado juntamente com a BM&FBovespa (Bolsa de Valores) para disponibilizar títulos públicos do Governo Federal para que pessoas físicas possam adquirir através da internet.

Dessa forma, podemos afirmar que o objetivo principal da criação desse programa foi justamente para popularizar o Tesouro Direto, tornando-o acessível para todas as classes sociais e não somente para um pequeno ou seleto grupo de investidores, já que agora é possível começar a investir com apenas R$30,00.

Além disso, o Tesouro Direto possui títulos diversificados com diferentes tipos de rentabilidade que são: os prefixados e os pós-fixados, que vamos explicar um pouco mais para frente.  Esses títulos também possuem vários prazos de vencimento e liquidez diária, ou seja, é um tipo de ativo que representa facilidade no momento de resgate e essas são algumas vantagens que tem atraído também o pequeno investidor.

Aliás, constitui também uma excelente forma de reserva financeira, pois através dessa modalidade de investimento é possível guardar dinheiro tanto para um objetivo de longo prazo como para um objetivo de curto prazo, como por exemplo: para aposentadoria, compra de imóveis, viagens e tantos outros.

Saiba a partir de agora como investir no Tesouro Direto

Inicialmente será necessário ter um CPF e uma conta corrente numa instituição bancária devidamente regulamentada pelo Banco Central. O segundo passo será escolher uma corretora de valores ou um banco para intermediar a compra ou venda do Tesouro Direto.

Lembrando, que é possível consultar uma lista de todas as instituições financeiras autorizadas juntamente com as taxas cobradas por cada uma delas no site oficial do Tesouro Direto, para isso clique aqui. Nesse momento, é importante verificar com cuidado, pois algumas corretoras estão oferecendo promoções, como por exemplo, sem cobrança de taxa de administração, o que seria altamente recomendável ao pequeno investidor.

Tenha em mente, que cada instituição também terá as suas regras em relação à documentação, portanto, o melhor mesmo é entrar em contato com cada uma das instituições separadamente para obter as informações mais detalhadas diretamente.

Após enviar os documentos exigidos pela corretora ou banco escolhido, o investidor receberá uma senha provisória da BM&FBovespa que servirá para o primeiro acesso na área restrita do site oficial do Tesouro Direto. Não se esqueça também de trocar a sua senha provisória por uma nova que deverá conter entre 8 e 16 dígitos, isso deverá ser logo feito para aumentar a sua segurança.

Feito isso, basta logar no sistema dentro de sua área restrita de investidor para fazer as primeiras operações de compra e venda. Também poderá consultar os saldos e os extratos de suas operações sempre que desejar. Lembrando, que se a instituição escolhida tiver o sistema integrado ao Tesouro Direto, as operações poderão ser realizadas no site da própria instituição, ou seja, sem a necessidade de entrar no site oficial do Tesouro Direto.

Para isso, basta conferir se na lista de instituições credenciadas informada anteriormente, há essa informação contida. Esse é um detalhe, que pode passar despercebido, mas que pode fazer uma grande diferença devido à comodidade para o investidor, que poderá fazer tudo num único site.

Outro passo também de suma importância, é traçar o objetivo de investimento para escolher adequadamente o tipo de título que deseja adquirir. Para facilitar a escolha de cada investidor, o Tesouro Direto criou uma ferramenta gratuita e muito prática denominada “Orientador Financeiro”.

Com essa ferramenta, você poderá em poucos cliques responder algumas perguntas objetivas, que passo a passo traçará e definirá o tipo de título mais adequado para o seu objetivo de investimento financeiro.  Para acessar o Orientador Financeiro Oficial, basta clicar aqui. Outra novidade lançada pelo Tesouro Direto recentemente foi o aplicativo oficial para celulares por enquanto apenas com o sistema Android, que pode ser baixado na Google Play Store através desse link aqui.

Entre as opções de títulos estão os prefixados e os pós-fixados. Os títulos prefixados possuem a rentabilidade já definida no momento da compra, ou seja, o investidor toma conhecimento no exato momento da aplicação quanto irá receber desde que permaneça com o título até o vencimento. Já os títulos pós-fixados possuem além de uma taxa predefinida também o seu valor corrigido de acordo com o um indexador, que pode ser pela Selic (taxa básica de juros) ou IPCA (inflação).

O investidor não precisa se preocupar quanto às siglas que, inicialmente, parecem confundir ainda mais o entendimento porque todas as explicações detalhadas podem ser encontradas no site oficial do Tesouro Direto. Lembrando, que algumas corretoras também oferecem materiais explicativos tanto em vídeos como em artigos para facilitar ainda mais a tomada de decisão dos investidores.

Resumindo, o Tesouro Direto é atualmente uma excelente modalidade de investir o dinheiro devido à alta rentabilidade oferecida e também pela simplicidade operacional, além de ser uma alternativa para juntar dinheiro para um objetivo tanto de curto prazo como de longo prazo.  Outra significativa vantagem é a liquidez, pois o Tesouro Nacional permite que o investidor possa vender os títulos adquiridos todos os dias e com preços de mercado, o que faz com que o seu dinheiro esteja disponível sempre que houver uma necessidade.

 

Fontes: Site Oficial do Tesouro Direto

Site Oficial BM&FBovespa