INÍCIOS, DECISÕES E ESCOLHAS.
[mp_heading]

 

COMO FAZER UMA ANÁLISE TÉCNICA

[/mp_heading]
[mp_image id=”16045″ size=”full” link_type=”custom_url” link=”#” target=”false” caption=”false” align=”center” margin=”none,none,20,none”]

Como fazer uma análise técnica

Como fazer uma análise técnica – A aproximação usual de uma análise técnica é a de uma abordagem descendente, começando com uma análise macro, sobre qual a direção geral que o mercado está seguindo. O bom de uma análise técnica é que ela não precisa que o investidor seja um contabilista qualificado para estudar a ação.

A mesma análise também pode ser utilizada em uma tabela macro, industrial, de commodities até as tabelas individuais de ações de 1 minuto ou até as diárias, semanais ou mensais.

Todo investidor possui seu próprio estilo, mas a abordagem típica pode começar assim:

1. O mercado está numa tendência altista ou baixista? Um técnico procurará pela linha de menor resistência para começar.
2. O próximo passo seria olhar para o setor/indústria buscando pelos grupos mais fortes ou mais fracos.
3. Então afunilando a busca para as ações individuais do setor, buscar pela mais forte ou mais fraca no setor e por possíveis sinais de compra ou venda da análise técnica.

 

 

Lendo as Tabelas

Agora, em todos os passos acima, o investidor tomará suas decisões do estudo das tabelas para montar uma opinião sobre qual a decisão geral na qual os preços estão direcionados, ignorando as flutuações individuais. As tendências numa tabela de ações podem ser classificadas por tipo e duração.

Tendências de alta podem ser caracterizadas por altos de baixos que ficam progressivamente mais altos.
Tendências de baixa podem ser caracterizadas por altos de baixos que ficam progressivamente mais baixas.
Uma tendência horizontal é onde os altos e baixos não variam muito dos períodos anteriores de altos e baixos.
Um investidor usará o gráfico para desenhar linhas de tendência em um período, conectando os altos e baixos ou criando um canal no qual a ação segue.
Suporte e Resistência é outra análise simples que pode ser desenhada num gráfico. Esses períodos de trade onde os preços movem entre uma distância confinada por um período extenso. Os períodos frequentemente podem ser colocados no gráfico e um investidor esperará que o preço se mova para fora de sua distância em uma forma altista ou baixista, como sinal para comprar ou vender a ação.

Estes são apenas conceitos básicos que um investidor observará ao fazer análises, existe uma enorme quantidade de padrões gráficos que tendem a se repetir, junto com indicadores e osciladores que podem ser adicionados à tabela como confirmações já vistar nos padrões.

Alguns padrões gráficos como “cup and handle”, cabela e ombros, cunha em queda e topo duplo junto com outras e os indicadores e osciladores serão discutidos no próximo capítulo.

Análise Técnica e Timming

Uma análise técnica pode ajudar o investidor em encontrar a hora certa para seu ponto de entrada. O motivo de usar as tabelas e linhas de tendência e mercados buscando padrões é para dar a indicação do que procurar no gráfico. Por exemplo, se o preço cai abaixo do mínimo no canal em uma tendência de alta, isso é um sinal de compra, para seguir a trade de volta ao topo do canal.

A mesma situação com um padrão gráfico que pode estar em desenvolvimento e investidores prestam atenção ao que veem como a história se repetindo e faz uma posição no começo dessa tendência ou até esperam um pouco por mais confirmações de fuga/quebra.

<<2.Lição,O Que é Análise Técnica e por que ela é útil?                >>4.Lição – Indicadores e osciladores técnicos